Posts da Tag "dinheiro"

Como foi entrevistar o Caco Barcellos

31 ago 2017

 

Caco tem uma história maravilhosa. Passou por tudo o que se pode imaginar nessa vida. E sempre soube valorizar as coisas certas. Atualmente tem uma carreira de muito sucesso e é conhecido por praticamente todos no Brasil, o que para muitos é uma desculpa fácil para a arrogância. Não no caso dele. Eu já imaginava que ele seria alguém muito bacana, mas não imaginava o quanto seria simpático e muito, muito tranquilo. Recebeu a gente em sua própria casa e foi extremamente atencioso durante toda a entrevista. Com voz baixinha e leveza em cada palavra, respondeu tudo que precisávamos e mais um pouco. Contou sua trajetória detalhadamente, que por sinal, é inacreditável.

Começou a trabalhar muito cedo, pois como veio de uma família simples, sempre se preocupou em ajudar com a renda. Seus pais eram extremamente preocupados com a educação dele e da irmã, e inclusive o ensinaram a ler e escrever, mesmo sendo analfabetos.

Eu achava que os dois eram heróis porque com toda a precariedade e falta de qualificação profissional deles, trabalharam tanto por nós dois…

Então desde cedo eu sempre quis ajudá-los.

Me ensinaram a ler e escrever, e eram analfabetos. Na verdade, o esforço começa com essa dupla: meu pai e minha mãe. Eles que me empurraram: ‘Saia daqui, cara. Vai fazer o que a gente não pode fazer.’

Foi coletor de sucata, vendedor, taxista… a lista é bem grande. Começou a trabalhar catando ossos que sobravam dos churrascos – o pessoal do Sul é apaixonado por churrasco, então sempre sobrava ossos de gado. Seu bairro era de periferia, então quando chovia bastante era comum ter muita erosão nos morros, o que fazia com que os ossos fossem despejados, facilitando o trabalho. Os mesmos eram vendidos à uma fábrica que transformava-os em botões de roupa e jogadores de futebol de mesa.

Posteriormente, também trabalhou em uma igreja progressista de seu bairro, fazendo impressões:

Tive a felicidade e a sorte de morar em um bairro onde havia uma igreja progressista – dessas aliadas dos mais pobres – que nos ensinou muitas profissões. Por exemplo, eu ainda criança aprendi a imprimir. Hoje a impressão é feita com um clique. Antigamente, era tudo feito em uma gráfica. Letra por letra de ferro. Dessa maneira se imprimia. Essa profissão se chamava linotipia e dava uma boa grana, pois vinham encomendas de fora do bairro.

Questionado sobre como começou a sua paixão pela escrita e pela reportagem, Caco contou uma história bastante curiosa, onde relacionou a sua atual profissão com a dos trovadores de sua família:

Não tinha nenhum jornalista e nenhum intelectual na família, mas eu gostava de escrever. Talvez porque tivesse trovadores na família. Trovador, no Sul, é o cara que pega o violão e conta história, narrando. Tipo rap. E aquilo me encantava muito. Meus tios eram trovadores. Tenho um avô que era trovador e carroceiro. Ele saía pelo bairro vendendo e observando histórias… no final da semana ele trovava e contava as histórias que ele via. Aquilo era uma reportagem. Eu não sabia que era, mas peguei encantamento por aquilo. Talvez venha daí o meu desejo de contar história.

 

O que mais me deixou emocionada, em toda a entrevista, foi como o discurso dele priorizava as coisas da vida que não tem preço. E também a sua enorme preocupação com todas as pessoas, inclusive as que tem uma realidade muito diferente da dele. Foi uma verdadeira lição sobre empatia e o quanto devemos focar sempre na felicidade, acima de qualquer possível lucro ou status.

 

De felicidade eu conheço. Não está associada com dinheiro. Eu vou ser infeliz pra ganhar dinheiro? Não. Eu era feliz sem nada, ganhando pouco. Claro que o melhor é ser feliz ganhando bem, comprar um carro, dar conforto às pessoas que você gosta. Mas o importante é não associar dinheiro com felicidade.

Eu nunca abri mão da felicidade. Uma bela proposta pra ganhar cinco vezes mais e deixar de ser repórter? Não. Eu sou feliz na reportagem. Quem te disse que com cinco vezes mais eu vou ser mais feliz?

Praticamente duas horas de conversa, tudo muito leve e natural, mas ao mesmo tempo, a quantidade de aprendizado nessas horas valeram por anos. Rendeu tanto conteúdo que ele próprio falou que daria pra escrever um livro. Quem sabe no futuro?

Foi a primeira entrevista que fiz fora da faculdade. Sou extremamente grata por ter dado tudo tão certo e poder ter a oportunidade de conhecer um profissional e ser humano indescritível. Saí de lá feliz e com a certeza que estou no caminho certo. Não trocaria minha futura profissão por nada. Obrigada por cada palavra, Caco.