Posts da Tag "ideias"

A inspiração que vem de dentro

23 dez 2018

No meu primeiro semestre da faculdade, lá no comecinho de 2016, eu escutava de todos os professores o quanto isso e aquilo agregaria ao nosso repertório. Na escola isso nunca foi a preocupação central, então estranhei no começo ouvir tantas vezes essa palavrinha. Mas realmente, agora indo para meu último ano de faculdade, eu compreendo o quanto o repertório é algo essencial. Para quem escreve, mais ainda.

A pior coisa para quem vive da escrita é o bloqueio criativo. Às vezes ele é só preguiça disfarçada, mas a gente custa a perceber. Quando isso acontece comigo, tento buscar citações que me despertem ideias. Seja na minha pastinha infinita do Pinterest, abrindo aleatoriamente meus livros ou tentando lembrar de alguma frase boa que ouvi por aí. Normalmente funciona. Mas nem sempre.

O fato é que somos feitos de referências da cabeça aos pés. Somos compostos por coisas que nos inspiram e que nos moldam, diariamente. Cada segundinho vivido é parte do nosso repertório. Não apenas os livros e as aulas da faculdade, mas também nos momentos de tédio nos quais percebemos algo novo sobre a nossa casa, nas conversas profundas ou banais que temos com alguém, nas músicas que escutamos e às vezes passamos batido em quantas coisas elas querem realmente dizer com aquelas letras, nas cenas de um filme que parece bobo, em páginas perdidas da internet, nas pessoas que passam pela janela, nos cheiros de perfume ou de comida fresquinha, nos olhares dos cachorros. E por aí vai.

Este ano tive o prazer de fazer o curso de escrita afetuosa da querida Ana Holanda, editora-chefe da Vida Simples, minha revista preferida, e ela disse que as melhores histórias estão nas coisas que mais parecem banais no nosso cotidiano. Quando acordamos, levantamos e vamos escovar os dentes, mais de dez histórias aconteceram à nossa volta. Nossas escovas de dente podem falar mais sobre a gente do que um grande evento. Das coisas mais simples  surgem nossos melhores textos. Levarei essa lição comigo sempre.

Cada vez mais eu percebo que as boas ideias podem parecer estar vindo de fora, mas elas estão vindo de dentro. De dentro dos sonhos que temos, das visões que cultivamos, dos planos, das saudades, dos desejos e de todas as nossas coisas favoritas.  Como dito em um trechinho do maravilhoso livro Roube como um artista, do Austin Kleon -um dos autores que mais admiro no ramo da criatividade:

“Você é, de fato, um mashup do que escolhe entrar na sua vida. Você é a soma das suas influências. O escritor alemão Goethe escreveu: ‘Nós somos talhados e moldados por aquilo que amamos.”

Que a gente saiba aproveitar as referências que o mundo nos dá diariamente. Agora no fim do ano elas parecem vir em dobro. E é sempre bom lembrar que elas não vem só das telas, muito pelo contrário. As melhores ideias vem do mundo real. De pessoas reais. E de tudo que você considera como parte da sua vida.


Como a arte pode fazer você aprender mais sobre si mesmo

26 jul 2018

Obras de arte apreciadas de corpo e alma podem gerar identidade e trazer um conhecimento que vai além do repertório

Foto: Chris Barbalis

A arte está em debate. Sobre isso não há dúvidas. Muito se questiona sobre o que é ou não arte, o que deve ou não ser exposto… mas pouco se discute sobre o verdadeiro papel de uma obra de arte. Esta tem o poder de tocar a alma de quem a observa, quando analisada de mente aberta, sem preconceitos estabelecidos.

Arte só é arte porque faz pensar. Faz identificar. Gera sentido. Quantas pessoas já não se viram questionando suas próprias vidas depois de analisarem uma simples obra de arte? Quantas pessoas não se veem refletidas em uma pintura, como se estivessem encarando o seu próprio retrato? Essa é a real beleza de uma obra de arte. Contudo, torna-se complicado observar e deixar tais sentimentos fluírem com uma rotina corrida e cheia de afazeres.

Foi pensando nisso que surgiu o Slow Art Day, uma iniciativa que traz consigo uma solução para o dilema entre o cotidiano atarefado e o prazer da arte. Criada em 2009, ela consiste em passar mais tempo que o esperado observando uma obra de arte.

Não existe uma quantidade exata de minutos, pois isso difere para cada pessoa e obra. Porém, para James Pawelski, professor e diretor de educação em um centro de psicologia na Universidade da Pensilvânia, 20 minutos é o ideal. É este tempo que ele pede aos seus alunos para observarem uma pintura de sua escolha. Segundo Pawelski, a nova geração raramente se concentra em algo por muito tempo. Portanto, 20 minutos atualmente equivalem a três horas de tempos antigos. O professor afirma que somente prestando atenção em uma obra por tanto tempo é possível observar o seu real propósito.

Outro projeto bastante interessante para poder apreciar obras com mais calma e conhecimento é o aplicativo gratuito Smartify, que permite escaneios de obras de arte para que o usuário possa ler mais sobre elas, tendo informações sobre sua história e contexto. Além disso, também é possível salvar os favoritos em uma coleção personalizada, que pode ser compartilhada com outros usuários.

Usado em mais de 30 museus e galerias pelo mundo, o app ainda não possui parcerias no Brasil. A equipe responsável é aliada à Fundação Wikimedia, que sustenta a Wikipédia. Sendo assim, as imagens reunidas na enciclopédia virtual contribuem para aperfeiçoar a velocidade e praticidade do serviço oferecido pelo aplicativo. Dessa forma, o reconhecimento de imagens é realizado de maneira mais eficiente.

Ideias como o Slow Art Day e o Smartify são duas formas criativas de aprender mais sobre a arte. Contudo, cada pessoa pode e deve utilizar seus próprios métodos para absorver o que o mundo da arte tem de melhor. O importante é se permitir sentir. Permitir se reconhecer e se re(encontrar).

“Arte e amor são a mesma coisa: o processo de enxergar a si mesmo em coisas que não são você.” (Chuck Klosterman)

 


Comente (0)        0
Tags: , , , , , ,
Por:
Larissa